MÊS DE AGOSTO

Festeja-se Obaluaê

 Quero ressaltar que as singelas explicações abaixo referem-se ao Orixás na Umbanda. Sabemos que os irmãos do Candomblé, do Batuque e outras religiões de matriz africana, possuem outros conceitos, explicações, utilizam-se da mitologia, entre outros elementos, para explicar e trabalhar com os Orixás. Respeitando todas as opiniões diversas, serão passados apenas conceitos da Umbanda, no intuito de esclarecer os filhos de fé, acerca de seus pais e mães de cabeça!
 
   São  Roque - Obaluaê
 
 

Na Umbanda, o culto é feito a Obaluaiê, que se desdobra com o nome de Omulu. Orixá originário do Daomé. É um Orixá sombrio, tido entre os iorubanos como severo e terrível, caso não seja devidamente cultuado, porém Pai bondoso e fraternal para aqueles que se tornam merecedores, através de gestos humildes, honestos e leais.

    Nanã decanta os espíritos que irão reencarnar e Obaluaiê estabelece o cordão energético que une o espírito ao corpo (feto), que será recebido no útero materno assim que alcançar o desenvolvimento celular básico (órgãos físicos).

    Ambos os nomes surgem quando nos referimos à esta figura, seja Omulu seja Obaluaiê. Para a maior parte dos devotos do Candomblé e da Umbanda, os nomes são praticamente intercambiáveis, referentes a um mesmo arquétipo e, correspondentemente, uma mesma divindade. Já para alguns babalorixás, porém, há de se manter certa distância entre os dois termos, uma vez que representam tipos diferentes do mesmo Orixá.

     Um dos mais temidos e respeitados Orixás, comanda as doenças e, consequentemente, a saúde. Assim como sua mãe Nanã, tem profunda relação com a morte. Tem o rosto e o corpo cobertos de palha da costa, em algumas lendas para esconder as marcas da varíola, em outras já curado não poderia ser olhado de frente por ser o próprio brilho do sol. Seu símbolo é o Xaxará - um feixe de ramos de palmeira enfeitado com búzios.
 
Obaluaiê, o Rei da Terra, é filho de NANÃ, mas foi criado por IEMANJA que o acolheu quando a mãe rejeitou-o por ser manco, feio e coberto de feridas. É uma divindade da terra dura, seca e quente. É às vezes chamado "o velho", com todo o prestígio e poder que a idade representa no Candomblé. Está ligado ao Sol, propicia colheitas e ambivalentemente detém a doença e a cura. Com seu Xaxará, cetro ritual de palha da Costa, ele expulsa a peste e o mal. Mas a doença pode ser também a marca dos eleitos, pelos quais Omulu quer ser servido. Quem teve varíola é freqüentemente consagrado a Omulu, que é chamado "médico dos pobres".
O Senhor da Vida é também Guardião das Almas que ainda não se libertaram da matéria. Assim, na hora do desencarne, são eles, os falangeiros de Omulu, que vêm nos ajudar a desatar nossos fios de agregação astral-físico (cordão de prata), que ligam o perispírito ao corpo material.

       Os comandados de Omulu, dentre outras funções, são diretamente responsáveis pelos sítios pré e pós morte física (Hospitais, Cemitérios, Necrotérios etc.), envolvendo estes lugares com poderoso campo de força fluidíco-magnético, a fim de não deixarem que os vampiros astrais (kiumbas desqualificados) sorvam energias do duplo etérico daqueles que estão em vias de falecerem ou falecidos.

Características:

Cor: Preto e branco

Fio de Contas: Contas e Miçangas Pretas e Brancas leitosas.

Ervas: Canela de Velho, Erva de Bicho, Erva de Passarinho, Barba de Milho, Barba de Velho, Cinco Chagas, Fortuna, Hera. (cuféia -sete sangrias, erva-de-passarinho, canela de velho, quitoco, Zínia)

Símbolo: Cruz

Pontos da Natureza: Cemitério, grutas, praia

Flores: Monsenhor branco

Essências: Cravo e Menta

Pedras: Obsidiana, Ônix, Olho-de-gato

Metal: Chumbo

Saúde: Todas as partes do corpo (É o Orixá da Saúde)

Planeta: Saturno

Dia da Semana: Segunda-feira

Elemento: Terra

Chakra: Básico

Saudação: Atôtô (Significa “Silêncio, Respeito”)

Bebida: Água mineral (vinho tinto)

Número: 3

Data Comemorativa: 16 de Agosto (17 de Dezembro)

Sincretismo: São roque (São Lázaro).

Incompatibilidades: Claridade, sapos

Atribuições: Muitos associam o divino Obaluaiê apenas com o Orixá curador, que ele realmente é, pois cura mesmo! Mas Obaluaiê é muito mais do que já o descreveram. Ele é o "Senhor das Passagens" de um plano para outro, de uma dimensão para outra, e mesmo do espírito para a carne e vice-versa

 
SALVE SÃO ROQUE!!
 
        Atô tô Obaluaê!
 
 
 
 
 
 
 
 

 

 
 

Esta casa Umbandista  a pedido do mentor espiritual "Pai Joaquim das Almas" ainda encontra-se fechada ao público. A participação nos trabalhos realizados na casa se darão somente após autorização do mentor. E é restrita aos médiuns e seus familiares autorizados. Após estruturação da forma de trabalho na casa, informaremos a abertura do terreiro. 
Na Umbanda não se admite a cobrança de consultas, não faz amarrações, adivinhações e não utiliza sangue em seus trabalhos.

  Site Map